"Poor is the man whose pleasures depend on the permission of another"

10/25/2011

Dor no estômago

Sério. Acho tenso.

Leio notícias ou ouço falar de casos de preconceito e meu estômago enrola. Hoje em aula atendi um grupo que queria falar sobre a homofobia. Acabamos conversando sobre preconceito em geral.

O fato é que quem é preconceituoso, é preconceituoso com tudo. É racista, é machista (ou feminista), sectário, proselitista, etc... Quem olha torto pro lado, olha torto prá todo o lado.

E o mais triste prá mim é não entender, simplesmente não compreender como isso funciona! Minha cabeça não funciona assim.

Até ouço críticas de algumas pessoas. Como eu não entendo a discriminação, não dou a importância devida a certos movimentos, à certas afirmações que algumas pessoas, por se sentires discriminadas, são impelidas a performatizar.

Não sou contra ninguém se defender não, mas não me ataquem. Sou branca, tenho curso superior completo, olhos claros e sou heterosexual. É, paciência, sou. Mas sou mulher, nascida em uma família pobre, estudei a vida toda em escola pública e seu canhota. Viu? Procurando bem, todo mundo tem pereba!

Não consigo analizar o mundo e as pessoas por essa ótica. Se já me senti vítima de preconceito? Claro, muitas vezes. Mas eu não quero pautar a minha vida pelas vezes que sofri. Prefiro pautar a minha vida pelos momentos bons, as pessoas que eu escolhi prá mim e as coisas que me agradam. Chega de rancor. Chega de mágoa. Somos gente boa, que se merece. Sacou?

8/28/2011

tem vezes que acertamos tudo tão certinho, planejamos tudo e nos esquecemos que o acaso está sempre pronto para roubar nossas certezas.

8/16/2011

E ninguém me acredita!

Me perguntam sobre a solidão.

Quando eu respondo que não me sinto só, as pessoas me olham com cara de pena. Pena do tipo "tadinha, tá traumatizada ainda..." ou então rogando praga "ainda tá eufórica com a novidade, espera mais um pouco prá ver..." e tem aqueles desconfiados "ah, fala aí! já tá pegando alguém né?"

Tô não, gente... minha vida romântica é uma pasmaceira.

Mas não tenho tempo de me sentir só. Tenho o trabalho. Tenho os livros e as séries. Tenho as pessoas que eu gosto. Tenho muitas pessoas comigo. E, o que é difícil para algumas (muitas, na verdade) pessoas entenderem é que a gente consegue ser feliz não estando romanticamente envolvido e sim sentimentalmente envolvido. Eu estou SEMPRE sentimentalmente envolvida. Amor prá mim é essencial! E o amor romântico tem sua importância, sim tem. Mas o amor não-romântico também é importante. E é, sem dúvida, mais fácil de levar.

Tenho aflição daquelas pessoas que entram em depressão porque estão em uma fase não-apaixonada. Ou ainda aquelas que idealizam a relação e a gente vê que é por puro medo de andar só. Tem horas que o que eu quero é estar só mesmo, juro. E quando me perguntam "já tem alguém?" eu só dou uma risadinha e respondo "não, tenho todos!". Dizer oq?

Amizades e carinho completam minha vida. E ninguém me acredita!

8/09/2011

Se joga!


"Lutar pelo amor é bom, mas alcançá-lo sem luta é melhor." --William Shakespeare

Acabei de ler isso no twitter. Pensei tanto...

As pessoas lidam de formas diferentes com o amor. Tenho visto gente que corre muito e o persegue avidamente. São aqueles que não conseguem alcançá-lo. Não plenamente. Porque quando estão com alguém, ficam se questionando "será que estou com ela porque a amo ou porque não sei viver sozinho?" E devem se questionar mesmo, pois essa é uma patologia bem comum.

Outras (e é essa que venho tentando ser) deixam que o amor, ou os amores, as atinjam como uma onda. Sabe aquele banho de mar gostoso que a gente relaxa abre os braços e deixa a onda vir? Literalmente, se joga? Isso. Exatamente isso. Sim, a gente pode perder o equilíbrio e levar um baita tombo. Faz parte da brincadeira.

E a sensação é exatamente essa, não é? Olhar no olho de alguém e ter a nítida impressão acaba de ser golpeado por uma onda forte, que chega a dar tontura. Tão gostosinho...

8/01/2011

posso ficar perto mais um pouquinho? sem nada não... só pq é quentinho...

7/31/2011

o menino e a rosa (mas eu nunca li o pequeno príncipe)

Era uma vez um pequeno planeta onde não existia muita coisa além do menino e sua rosa. E como ele amava aquela rosa. Tanto, tanto, que a mantinha em uma redoma de cristal, para que ela nada sofresse. Mas o tempo foi passando, e a rosa foi crescendo. E a redoma ficou pequena. O menino disse "vou colocar uma redoma maior". Mas a rosa, prontamente, argumentou "Não, é só você abrir uns buraquinhos aqui e ali, assim minhas folhas podem se espalhar". O menino achou uma boa idéia, afinal, ia economizar o dinheiro da redoma nova. Então abriu, com toda a habilidade alguns furos. E a rosa pôde, pela primeira vez, sentir o aroma fresco do ar livre e, junto com ele, vindo de outros planetas maiores, o aroma de outros meninos. Muitos meninos. A rosa ficou confusa...

É aí que começa a história...

7/29/2011

hoje foi o dia do "então não me conta" e do "não fica trocando mensagem na minha frente". entre ex-amores sempre existem limites...

7/28/2011

muito, muito medo mesmo...

é tão engraçado olhar prá um homem e perguntar: "vc tem medo de mim?"

ele automaticamente responde "não."

mas sabe o q ele quer dizer mesmo?

"sim. eu tenho. vc não me entende. vc é dura demais. vc é auto-suficiente e maluca. vc não tem medo das coisas que deveria ter, para q eu t protegesse. vc não é igual a minha mãe. vc não me dá importância. não me pede prá voltar cedo. não quer saber onde eu fui. vc não me pergunta das outras mulheres que eu tive. tb não me fala muito de vc. vc é um mistério. eu nunca sei o que tem por trás do seu sorriso, ou do seu choro. eu nunca sei. quem é vc? e, mais importante, como eu descubro quem é vc? como eu chego perto? vc não me quer por perto, essa é que é a verdade. vc não me quer. definitivamente. eu estou aqui enquanto estiver. e sei que não é prá sempre. na verdade sei que é por pouco tempo. meu tempo já está acabando. onde está você? saiu? sabia..."

boa noite, meninos...

7/23/2011

tempo, tempo, tempo, tempo...

Passei 15 anos com a mesma pessoa. Foram 15 anos ótimos. Construímos juntos, vivemos, passeamos, brigamos, crescemos, etc. Nada de tempo perdido, tempo ganho em experiência, amor e amizade.

Bom, daí acabou.

Penso no tempo. 15 anos... me dediquei de verdade. Queria que tivesse dado certo. Insisti, mudei, chorei e fiz tudo prá isso. E me dedicar, me entregar, isso é o que importa. Certo?

Disposição prá fazer isso de novo? Nenhuma... a verdade é que dá preguiça.

Não podemos pensar em algo diferente? Vou me dedicar, ser amiga, fazer tudo prá dar certo. Por menos tempo. Bem menos tempo. Vou mudar, me reinventar, me entregar, mas por bem menos tempo. Vai ser bom igual, prometo. Mas vai ser por pouco tempo.

Quando vou mudar de idéia? Não sei, vejamos... hmmm.... hmmm...

Espero que EU não mude de idéia. Espero que alguém, um dia qualquer desses, mude a minha idéia, no tempo certo...

7/06/2011

A beleza interior... tá bom!

Poucas coisas me irritam tanto quanto uma postura blasé perante o carnal.

Somos alma, ok, cérebro, coração, etc... .Mas primeiro somos físico. Vejo algumas pessoas fazendo pouco caso da questão de pele, de toque. Ah, o que interessa mesmo é a afinidade, o carinho, o amor, o companheirismo... ok, ok, ok... mas, quem não quer um apertão e uma voz no ouvido. Meu bem, é aí q a coisa pega. Não importa o quanto existe de amor e companheirismo na sua vida, carência é carência.

E na hora q alguém t puxa pela cintura e diz "vem cá!" pronto, tá feita a porcaria. Meu aviso é: não subestime isso. Se a gente esquece do nosso corpo, ele cobra depois. Cobra caro, cobra urgente e com uma força que, pode ser que vc não tenha tempo de pensar, ou de medir as conseqüências...

Mas voltando um pouco na história. Geralmente, as pessoas que eu vejo menosprezarem a questão do físico e da atração são aquelas que mais demostram, na prática, estarem se mexendo prá atrair olhares, atenção, pares... meu bem, para de jogo. Fica ridículo!

7/03/2011

Minha mãe faz rodeios e acaba dizendo q a culpa, provavelmente, foi minha. E, provavelmente, ela tem razão...

7/02/2011

Separar (as coisas)

Bom, é menos triste do que se imagina.

Na verdade a gte descobre como tem coisas em duplicidade e pensa: ainda bem...

:-)

6/26/2011

sabe aquele...

sabe aquele amor tranquilo de calma e silêncio? q é aquele q te atormenta cada segundo do dia?

sabe aquele amor que acorda no domingo de manhã, faz café e traz na cama?

sabe aquele amor q a gte senta do lado, com um livro na mão e passa horas sem falar nada, só aproveitando o calor um do outro? sabe aquele amor q a gte senta do lado e fala sem parar, horas, sem que o assunto acabe, sem que o tempo se faça sentir, sem que sejam suficientes os sorrisos?

sabe aquele amor de fazer uma pergunta, olhando no fundo do olho e ver a resposta, sem palavras? sabe aquele amor de chegar pertinho, sem se dar conta, sem perceber? aquele amor q é o último boa noite, q é o sonho mais secreto, q é o primeiro bom dia q a gte dá em pensamento.

pois se não for esse, eu não quero...

6/25/2011

os loucos

E não tem como não pensar na quantidade de gente que tem problemas. Mentais, emocionais... carências, desvios, transtornos, etc...

Dou de cara com cada coisa nos últimos tempos. A gente conhece, convive e daqui a pouco começa a juntar as peças do jogo, fica sabendo do histórico e pronto! A criatura é doida! Não que seja medo, medo mesmo. Mas tem que ter cuidado, eu diria...


5/29/2011

solidão demais enjoa. amor demais perdoa.

5/19/2011

Nunca mais serei aquela...

Engraçado pensar em mim 3 anos atrás... nessa época tinha acabado de vender a empresa, tava sem eira muito menos beira. Tinha voltado prá casa da minha mãe, pq não conseguia ficar sozinha no apartamento sem chorar.

Não fazia a mínima idéia do que me esperava. Era como me jogar de um abismo. Sair da minha cidade, sair da vida que eu conhecia e tentar algo, que eu nem sabia o que, num lugar diferente.

Lembro do pavor. Lembro da sensação de estar cometendo um grande erro.

Eu era outra. Eu tinha uma concepção de vida que não ia além de 600km. Eu não sabia nada. E eu tinha quase 30 anos e não sabia nada. Daí, como sempre acontece com a minha vida, ela deu uma virada! Eu vim parar aqui, sem conhecer ninguém, sem trabalho, sem vida social, sem nada do que eu considerava seguro.

Dois anos e meio depois... ouvi isso de pessoas que me conhecem faz muito tempo: "É outra Ane" ou "Agora tu tá pronta!" ou ainda "Você é muito diferente daquela garotinha provinciana que eu conheci." - essa eu achei a mais sincera.

Mas sabe que eu tenho orgulho disso, muito muito! Dessa coisa de mudar, de aceitar o novo, de saber tirar o melhor do que é novo. De viver. Viver prá frente, aceitando os riscos. Olho praquela garotinha provinciana que desembarcou aqui com 29 anos e sem ter vivido nada, daí me viro e olho prá mulher que vou ser. Prá mulher que venho me tornando. A garotinha me trouxe até aqui, mas ela sabe que o tempo dela passou.

Nunca mais serei aquela...

4/20/2011

O Sorriso

Posso ser chata? Posso ser pessimista, deprimida e descrente? Só um pouquinho? Tá, hoje eu posso!

A vida da gte não se constrói sobre nossos pontos fortes.

Não fazemos a nossa história através dos momentos de bonança, calmaria, felicidade, harmonia. Nããão!!!
A história que fica e que se guarda acontece no momento em que a gte bate com a cara no chão. No momento em que a gente grita "tá, eu desisto!" O que somos se faz das nossas fraquezas. Se faz nos momentos em que somos muito menos fortes do que achávamos, muito menos frios e calculistas, muito menos adultos e inteligentes. Quando alguma coisa dói. E dói tão fundo que dói em partes que a gte nem sabia q tinha prá doer. Quando nos sentimos sozinhos, fracos, doentes e desamparados.

E sabe pq nos construímos dessa forma?

Pq a maior surpresa de todas é quando, sem perceber e nem saber o porquê, nos pegamos a sorrir... esse sorriso é algo tão seu e te pertence tanto. Ele não vem de lugar algum nem de outra pessoa. Ele não tem motivo (até pq nessa conjuntura motivo prá rir não tem mesmo) mas ele vem de vc. De tudo o que se foi. De tudo o que se pode construir partindo do zero. Da falta de expectativa, da falta de planos e de sonhos. Da falta de um amor. Da descrença no amor. Esse sorriso é o seu botão de "reset".

Esse sorriso é o presente. O futuro pertence a alguém que não sou eu...

3/24/2011

Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço... Uma fita dando voltas. Enrosca-se, mas não se embola, vira, revira, circula e pronto: está dado o laço. É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braço. É assim que é o laço: um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço. E quando puxo uma ponta, o que é que acontece? Vai escorregando...

Devagarzinho, desmancha, desfaz o abraço. Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido. E, na fita, que curioso, não faltou nem um pedaço. Ah! Então, é assim o amor, a amizade. Tudo que é sentimento. Como um pedaço de fita. Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço. Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade. E quando alguém briga, então se diz: romperam-se os laços. E saem as duas partes, iguais meus pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço.

Então o amor e a amizade são isso... Não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam. Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço!

3/15/2011

o q é simpatia

Llindo, lindo

Simpatia - é o sentimento
Que nasce num só momento,
Sincero, no coração;
São dois olhares acesos
Bem juntos, unidos, presos
Numa mágica atração.


Simpatia - são dois galhos
Banhados de bons orvalhos
Nas mangueiras do jardim;
Bem longe às vezes nascidos,
Mas que se juntam crescidos
E que se abraçam por fim.


São duas almas bem gêmeas
Que riem no mesmo riso,
Que choram nos mesmos ais;
São vozes de dois amantes,
Duas liras semelhantes,
Ou dois poemas iguais.


Simpatia - meu anjinho,
É o canto de passarinho,
É o doce aroma da flor;
São nuvens dum céu d'agosto
É o que m'inspira teu rosto...
- Simpatia - é quase amor!


Casimiro de Abreu



3/12/2011

Lembrei disso...

CANÇÃO DO AMOR IMPREVISTO

Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoísta e mau.
E a minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.

Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada,
Com o teu passo leve,
Com esses teus cabelos…

E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender
nada, numa alegria atônita…A súbita, a dolorosa alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos.


Mario Quintana

3/08/2011

Sobre Hoje

8 de março - Dia internacional da Mulher



Esse dia me deprime. Sempre me deprimiu. O que me deprime mais são as mulheres que se dão parabéns mutuamente.

Séculos e séculos depois, a própria mulher ainda se vê como minoria, exceção. Somos uma aberração.

Minha formação é matriarcal. Pode ser que isso me ajude. Pode ser que isso me faça sofrer ainda mais diante do que se vê hoje. Num mundo que se diz tão avançado, com tantas conquistas, com tantas novidades, a questão do gênero ainda parece nortear a existência das pessoas.

A mulher discrimina a mulher. O Homem discrimina a mulher. Os gays e as gays discriminam a mulher. Só de ouvir a palavra "VAGABUNDA" ou "PERIGUETE", juro que sinto as chamas da fogueira na minha nuca.

Não sou panfletária, feminista (e que os Deuses me livrem dessas aí) nem acho que somos melhores. Mas basta um fato da vida cotidiana para que todas as nossas crenças de que os tempos da inquisição ficaram prá trás caiam por terra. Ainda somos vigiadas. Nosso comportamento é podado até que se encaixe "no que esperam de nós": casa, marido, filhos, mas não pode parar de trabalhar! Afinal, "os tempos são outros". Sei... experimente fugir "isso aqui" desse padrão, uma boa briga te aguarda...

Seja no meio profissional ou pessoal, o comportamento de uma mulher nunca será julgado sob a mesma perspectiva. Lembro bem do meu pai dizendo: "O comportamento da mulher tem que estar sempre acima do comportamento do homem, pq todo mundo estará de olho nela." E, dentro de toda a simplicidade que se explica coisas complexas a uma criança, ele tinha razão. Se uma mulher se destaca, é bonita, inteligente e (por muita ousadia, ainda por cima) feliz, pobre moça!

Fui criada numa casa onde a mulher dava as tintas práticas, sem nunca deixar de contar com meu pai como figura forte, segura e presente. Agradeço aos meus pais por ensinar a mim e ao meu irmão como as coisas deveriam ser. Cada um sempre teve o seu papel, nenhum dos dois foi menos importante prá nós. E o que aprendemos quando pequenos é o que levamos prá vida, não é mesmo? Construímos nossos relacionamentos sobre essas bases. E, aviso aos rapazes: não é fácil lidar com a mulher de verdade, aquela que não coube na embalagem que a sociedade lhe impôs.

Romântica, temperamental, mimosa, complicada, brigona, cheia de dúvidas.

Sou pessimista. Já não acredito que "ainda há muito por conquistar". Já conquistamos tudo, já provamos mil vezes o nosso valor. E ainda assim nós mesmas nos aprisionamos dentro da casca de "ser menor da criação". Tenho dúvidas de que isso vai mudar um dia. Sério, meninas. Não existe "feliz dia das mulheres". Pelo menos, AINDA não...

2/02/2011

"Tunner, we're not tourists. We're travelers."

Essa citação do filme muito louco the sheltering sky, claro, não se aplica a NYC. Em princípio...

Amanhã partimos. Deixando ainda muita coisa por fazer aqui, nessa inacreditável cidade. O bom de não conseguir fazer tudo o
que se estava planejando é que fica uma boa desculpa prá voltar. E espero que seja em breve. Explico logo, que escrevo esse post prá minha mãe e familiares. E prá quem mais tiver curiosidade de saber o q dois viajantes meio malucos fizeram em NYC.

Resumindo mais um pouco as coisas que fizemos aqui: sexta foi o dia do Woodbury. Sem dúvida, o programa com mais brasileiros por metro quadrado. Fomos e voltamos em vans lotadas de brasileiros.

Sábado, passamos o dia caminhando. Soho, TriBeCa, Greenwich Village. Bairros super bacanas. Gente linda e simpática (siiiim, simpática. Nos viam com o guia na mão e perguntavam se precisávamos de alguma indicação. Puxavam papo e desejavam uma boa estada... JURO!!!).


Nesse dia, saímos das ruas da moda e ficam os explorando essas ruazinhas com pqnas lojinhas, algumas fundadas no século 19. Lanchamos em um pqno bistro de comida orgânica, nada de turistas... só a aventura do novo, a alegria de estar mergulhada no espírito do lugar. Uma delícia!

Domingo fomos ao Harlem. Assistimos um Culto na Igreja Batista com um coral gospel lindo, lindo. Desafio os céticos, coração de pedra. Eu tinha um cético comigo que confessou que sentiu a garganda apertar algumas vezes. Foram 2 horas que passaram voando. Almoçamos no Sylvia's Soul Food. Simplesmente maravilhoso! Alto astral, ótima comida. Depois Guggenheim. Massa!

Segunda: MoMA. Nenhum brasileiro no museu. Muuuuitos na loja. Estranho, não?

Bom, o Museu é uma loucura! Passamos boa parte do dia lá. Acordei no meio da noite com uma explosão de sonhos sobre tudo o que tinha visto durante o dia, acho que eram as experiências se acomodando... É emocionante o museu, foi meu passeio preferido!

Terça, passei a manhã na Biblioteca Pública. É linda e com várias exposições e eventos. Vale a visita. Foi minha manhã de passeio sozinha e eu ouvi uns "good morning, gorgeous" o que não tinha me acontecido ainda, com meu guarda-costas. Enfim, man is man everywhere. Tarde no ICP (Internacional Center of Photography). Lugar muito legal. Exposição sobre o trabalho de Capa e seus colegas na Guerra Civil Espanhola. Negativos redescobertos em 2007. Muita sorte!

Ontem jantamos no Artisanal Bistro. Sem comentários! Deixem a cozinha com os franceses, OK?

Hoje, fomos ao Museu de História Natural. Muuuito grande! Muuuito legal. É um museu diferente onde se pode tocar, escutar e ver muita coisa que se conhece só da enciclopedia. Ideal para as crianças, de todas as idades.

Bom, hoje final da tarde, fui até a Victoria's Secret. Vale um post só prá isso. Acreditem.

Acabo de ministrar o milagre da multiplicação de espaço nas malas. Estamos prontos para iniciar o retorno, esperando pelo melhor.

Nos vemos em casa. Bjos!

1/27/2011

NYC

Oi!

Bom, agora, com o meu lindo computador novo, vou dar um resumo até aqui...

Para os mais apavorados, quero dizer que a vinda foi super tranquila. Nada atrasou, tudo certinho e no horário. Sim, depois que a gente chegou, desabou a maior nevasca e alguns voos atrasaram e tal, mas nós chegamos bem.

Bom, a neve é o seguinte: linda, linda de morrer. Nós, turistas, achamos maravilhoso. Tem horas que a gente tem de escalar as montanhas de neve prá atravessar a rua e damos risada. Imaginem quem está indo trabalhar... é, nem tão bem humorados assim...

Mas o povo aqui bem simpático, prestativo e prontos prá dar uma mão prá quem não tem um inglês "lá essas coisas". Aliás, falando em inglês, eu 'tava morrendo de medo de não me fazer entender... tem gente que vem sem saber lhufas!!! Coragem demais!

Ontem, chegamos e nos instalamos. Depois Fomos até a Macy's e a uma loja de calçados aqui perto. O frio não assusta, nenhum frio que eu não tenha passado antes. Mas a neve é f*da. Tem que ter um sapato apropriado e um casaco impermeável. Saímos prá providenciar essas coisas.

Hoje andamos muito! Um dia bonito e com sol, convida ao passeio pelas ruas. Ver gente (e que lugar de gente bonita e moderna!!!), entrar nas lojinhas, tomar muito café. Fomos ao Empire State, muuuuito vento!!! Paramos na Barnes & Noble (era prá ser uma paradinha, mas me imaginem dentro de uma livraria daquelas) depois caminhamos pela 5th Avenida. Passamos pelo Guggenheim, que estava fechado, mas vamos voltar... Na volta: Apple Store (YEEEEEY) e quase falimos! Jantamos em um restaurante grego no Upper East Side, uma gracinha o Persephone!

Importante dizer: depois de ter tido a primeira vista dessa cidade coberta de neve, vai ser difícil ter lembrança mais linda!

Resumindo muito, muito, foi isso. :-*

1/19/2011

full moon


A Lua aqui de BSB me deixa boquiaberta. Ontem fiquei horas na janela olhando e mergulhando naquela luz prateada. Ontem era a primeira noite da lua cheia...

Aqui onde estou morando, deve ser um dos lugares mais bacanas prá olhar o céu, não tem nada na frente e a luz é pouca. A lua, perto da meia-noite, fica baixa e bem de frente prá minha janela, como se viesse bater um papo comigo. Sem palavras prá descrever...

A lua cheia é a fase em que a luz do sol está totalmente refletida em uma das faces. Ainda existe um outro lado, totalmente escuro, que não estamos vendo...

A lua cheia nos convida a iniciar projetos e a lançar nossa sorte em algo novo. Mas não é a hora para fazer empréstimos ou novas dívidas. Prefira, nessa fase começar uma poupança. Procure um novo amor, declare um antigo, comece atividades profissionais que envolvam grupos. Para as mulheres, bem, essa é a NOSSA fase. Hora de “cozinhar uma vida criativa”.

Deixe-se banhar por essa luz mágica que guia os homens na escuridão e acalenta seus sonhos desde sempre. Feliz Esbath.

1/17/2011

findi de filmes...

Perdi a conta de quantos filmes vi nesse final de semana. Coisas que tinha baixado e nunca tinha olhado. Entre eles "Os Amantes do Círculo Polar", que estava baixado fazia tempo e eu nunca tinha visto: lindo, lindo. Olhei também o último do mesmo diretor, Julio Medem, "Um quarto em Roma" que também é ótimo. Delicado e sensível.

Dele, já tinha visto "Lucia e o Sexo". Também muito bacana.

Um pouco mais dentro da caixa, está o "A arte de viajar". Roteiro clichê, mas uma fotografia impressionante. Acabo de mudar meus planos de férias para o meio do ano: América Latina, aqui vamos nós! Não, não vamos atravessar a floresta, mas quem sabe conhecer alguns lugares bacanas que ainda não vimos e que ficam logo aqui do lado.

Finalmente, vi o "Let The Right One In". De dia e eu não estava sozinha em casa. Bem sinistro...

Posso dizer um sincero "entre outros" já que foram 2 dias assistindo. Muitos filmes legais.

Hoje assisto o "Welcome to The Rileys" e "Helen", prá abrir o chorador. Afinal, prá que servem as férias???


1/14/2011

a paixão se deixa ver justo quando tentamos ser casuais...

Comente, comente, comente!!!!

L e i a , r e f l i t a , c o m e n t e ...

Anúncios Google